Encontro de Turismo de Base Comunitária e
Economia Solidária - ETBCES

Terça
24/Abril
Obtendo tempo... 00º C


Local
Colégio Estadual Márcia Meccia
R. Benjamin Abdon - S/N - Mata Escura - Salvador- BA

Data
9 a 13 de Novembro de 2016

O Colégio Estadual Márcia Meccia foi  inaugurado em  1989, com fins de creche, passando por uma única reforma  em 1996, em virtude de alterações na modalidade de ensino , passando a ministrar a pré-escola e o ensino primário. A partir de 1997, implantou-se gradativamente, o ensino fundamental II  e mais uma vez, devido às necessidades da comunidade local, implantou-se em 2005, a Educação de jovem e Adultos, no turno noturno, e em 2006, o Ensino Médio sempre articulada com os movimentos sociais da comunidade.

O Colégio Márcia Meccia acompanhou o desenvolvimento do bairro da Mata Escura, sempre respondendo ás necessidades da população local.

Foi assim que, criando parceiras com instituições públicas e privadas, desenvolveu a partir de 1999, sob a Gestão da professora Marileide da Silva, o “Projeto Especial Redução à Violêcia” que pelo  seu sucesso, recebeu o prêmio da Unesco (Organização das Nações Unidas para  a Educação, a Ciência e a Cultura) plubicado no livro Escolas Inovadoras: experiências bem sucedidas em escolas públicass, lançado em Brasília , 2003. A partir daí foram sucessivas ações inovadoras como  1. Agenda 21 na Mata Escura como instrumento de Planejamento Urbano que  representa um importante passo em direção ás ações sustentáveis ao despertar a sociedade para  a urgência  da  conservação  ambiental; 2. Amataquedá: Projeto de Desenvolvimento Social do Colégio Estadual  Márcia  Meccia , parceria com o Ltecs  e a Petrobrás; 3. Projeto Escola  Aberta, criado em 1997, ainda em funcionamento, tem hoje como destaque a  Fanfarra, premiada em diversas competições; 4. Parceria com o Fórum da Mata Escura,  promovendo  atividades culturais, de saúde públicas e meio  ambiente.

Assim,  em 2008,  iniciou-se o processo de eleição democrática  para gestores escolares e com isso nasceu a atual equipe gestora da Unidade Escolar, com a liderança da professora  Laura  Rodrigues Souza Silva, dando continuidade á vocação do colégio. Foi  renovada  a parceria com o ltecs , para realização da  pesquisa-ação em  Inovacões Educacionais em Tecnologia Sociais, que  muito  contribuiu para renovação do círculo e das relações sociais  nas salas de aula, aproximando todas as pessoas que participam do processo  educacional: estudantes, educadores, familiares e sociedade (CALDAS, Alcides dos Santos; SANTOS, Lilian Gomes dos. Mata Escura, heranças e permanências como possibilidades para o desenvolvimento local. Salvador: UNIFACS, 2011, p.17).

Atualmente, em 2016, o Colégio Estadual Márcia Meccia,  atende 900 estudantes , distribuídos  nos três turnos de funcionamento e ministra o Ensino Fundamental II, o Ensino Médio. Contempla os Projetos Estruturantes da SEC, o Escola Aberta (oficinas nos finais de semanas: futsal, fanfarra, pintura em tecido, informática, desenho mecânico, artesanato, kick  boxing, teatro manicure e pedicure cabeleireiro, hip hop) e o Programa Mais Educação (tempo  integral , com oficinas  de grafite, letramento, matemática, informática e modalidade esportivas). Também atua como parceira da, ACOPAMEC, UNEB, UFBA, Posto de Saúde. E mais, o Colégio é bem conceituado na comunidade.

A diretora juntamente com o corpo docente e parceiros, desenvolve ações de caráter integrativo, escola/comunidade alinhadas com a missão “é educar para o sucesso de gerações futuras assegurando a igualdade de direitos e respeito à dignidade humana”.

Sobre o Bairro que nos Acolhe

O bairro da Mata Escura, está localizado na Região Administrativa – RA, Serviço Integrado de Atendimento REgional – SIGA XXII, atual Prefeitura-Bairro, tendo como limites geográficos o bairro de Sussuarana, ao Norte; Beiru/ Tancredo Neves, ao Noroeste; Estradas das Barreiras, a Oeste; Engomadeira e Cabula VI, a Sudoeste; Arenoso, a Leste; e Novo Horizonte, ao Nordeste. [...] Suas vias de acesso são a Estrada da Sussuarana pra quem vem da Orla Marítma, e a Avenida Cardeal Avelar Brandão Vilella - a Estrada das Barreiras. A história do bairro da Mata Escura está relacionada ao tempo do Brasil Colônia e da escravidão em Salvador. No século XVII, a Mata Atlântica ocupava os arredores da cidade e lá se refugiavam escravos que resistiam aos castigos impostos pelos donos, atravessando o Rio Camurujipe, adentrando a mata cerrada e escura dos arraiais da cidade, formando quilombos. A localidade foi se tornando conhecida por Mata Escura, denominação que permanece até os dias atuais. Com o arrendamento de terras da Mata Escura inicia-se a ocupação e loteamento formal da área. No final do século XIX e início do século XX ali foram instalados alguns terreiros de Candomblé entre eles o Terreiro Bate Folha, representado juridicamente por uma sociedade beneficente cujo objetivo é finalidade de amparar, proteger e cultuar preceitos afro-brasileiros dentro da nação Angola. O Terreiro é tombado como Patrimônio Histórico Nacional, pelo IPHAN. Para o abastecimento de Salvador, foram construídas duas represas no Rio Camurujipe, a da Prata e da Mata Escura, na década de 1930. Projetadas pelo engenheiro baiano Teodoro Fernandes Sampaio vieram a ser desativadas em 1987. Na década de 1950 foi ali erguida a penitenciária Lemos de Brito, o maior presídio do estado, que possui um importante acervo histórico em seu museu. O crescimento populacional de Salvador e o processo de industrialização do município e sua Região Metropolitana, a cidade expandiu-se e na Mata Escura instalaram-se diversos conjuntos habitacionais, a partir dos anos de 1980, escolas estaduais e municipais. O bairro abriga remanescente da Mata Atlântica [...] (http://pedagogicamentemataescura.blogspot.com.br/2014/11/1_10.html. Acesso: 28/10/2016, 11h15m)